Home
|
|
|
|
|

| Saúde Federal | Saúde Estadual | Saúde Municipal | INSS | MPS | Funasa | DRT | PSF ACS ACE | Ações Judiciais | Comunitário | Política | Economia | Cultura | Geral | Galeria de Fotos | Links | Erramos 03/08/2017 03/08/2017 25/07/2017 20/07/2017 17/07/2017
Galeria de Fotos  

Ato Hospital do Anadaraí

Cardiologia, Oncologia e Emergência estão ameaçados de fechar graças à decisão do governo Temer de reduzir verbas e cancelar centenas de contratos temporários.
- Foto: Mayara Alves

Ato denuncia risco de fechamento de setores no Hospital do Andaraí

19/04/2017


Ato em defesa da unidade e de convocação para a Greve Geral do dia 28 de abril contra as reformas previdenciária e trabalhista e a terceirização
Foto: Mayara Alves

 

Da Redação do Sindsprev/RJ
Por Olyntho Contente

Setores inteiros do Hospital Federal do Andaraí, como o da Cardiologia, Oncologia e Emergência estão ameaçados de fechar por absoluta falta de pessoal e equipamentos, graças à decisão do governo Temer de reduzir verbas e cancelar centenas de contratos temporários de profissionais administrativos, médicos e de enfermagem. A denúncia foi feita durante ato em defesa da unidade e de convocação para a Greve Geral do dia 28 de abril contra as reformas previdenciária e trabalhista e a terceirização.

O médico Sidney Franklin de Sá, disse que a situação das demais unidades federais de saúde é similar à do Andaraí, sendo necessária uma luta conjunta por mais verbas e pela não demissão das centenas de temporários, contratados porque já não há concurso público há anos. “Já procuramos o Departamento de Gestão Hospitalar do Rio de Janeiro (DGH), órgão do Ministério da Saúde ao qual estão subordinados os hospitais federais, reivindicando, de imediato, o não cancelamento dos contratos e a normalização da reposição de equipamentos e insumos, mas até agora não tivemos qualquer resposta. Caso os temporários sejam demitidos e os insumos não sejam repostos, os serviços da Oncologia, Emergência e Cardiologia, entre outros, não terão como funcionar por absoluta falta de pessoal e material”, advertiu Sidney.

Servidora federal, Lúcia Pádua, classificou esta situação como parte do projeto do governo de desmantelar a saúde federal, piorando a qualidade do serviço para justificar a sua privatização. “O governo Temer age de forma criminosa, cortando recursos, não realizando novos concursos e deixando de investir na compra de insumos, reposição e manutenção de equipamentos. Exames não podem ser feitos, inviabilizando assim o atendimento de várias especialidades e as cirurgias. A situação no Andaraí passará a ser caótica, caso o governo mantenha a sua política de desmonte da saúde pública em prejuízo da população mais pobre”, afirmou durante o ato.

Uma enorme faixa branca com letras vermelhas denunciava a situação do Hospital: “SOS Andaraí”, dizia. A situação da unidade já foi denunciada ao Ministério Público Federal, aos conselhos regional e federal de medicina, assim como ao Ministério da Saúde. “O estado vive uma crise que inviabiliza o funcionamento dos hospitais estaduais. Caso a situação se agrave também na rede federal, a população ficará completamente desassistida, com as consequências trágicas que isto trará para a vida da população mais pobre”, alertou.

Greve Geral dia 28

Lúcia Pádua convocou os servidores do Andaraí a participar da Greve Geral organizada pelas centrais sindicais no dia 28 de abril. “Neste dia, além da paralisação da categoria, aprovada em assembleia no dia 12 último, estaremos participando de uma manifestação conjunta da saúde federal, às 10 horas, na porta do Instituto de Traumtalogia e Ortopedia (Into)”, lembrou.


Foto: Mayara Alves





Voltar

Ir para o topo | Envie esta página para um amigo | © SINDSPREV 2007  |  Desenvolvido por Spacetec