Home
|
|
|
|
|

| Saúde Federal | Saúde Estadual | Saúde Municipal | INSS | MPS | Funasa | DRT | PSF ACS ACE | Ações Judiciais | Comunitário | Política | Economia | Cultura | Geral | Galeria de Fotos | Links | Erramos 30/05/2019 15/05/2019 14/05/2019 03/05/2019 10/04/2019
Saúde Federal  

Servidores do Hospital de Bonsucesso aprovam boicote ao ponto eletrônico e luta contra portal

31/08/2016

Assembleia aprova boicote ao ponto e luta unificada contra o portal
Foto: Mayara Alves

Da Redação do Sindsprev/RJ
Por Olyntho Contente

Os profissionais de saúde do Hospital Federal de Bonsucesso (HFB) aprovaram boicote ao ponto biométrico e a luta contra o portal da transparência. A decisão foi tomada em assembléia, nesta quarta-feira (31/8), pela manhã, no auditório da unidade.

Na avaliação dos servidores, o ponto biométrico é incompatível com o tipo de trabalho feito nos hospitais, na medida em que não se pode abandonar um paciente para bater o ponto na hora exigida. E ainda porque o ponto aumenta automaticamente a jornada das 30 horas atuais para 40 horas. O equipamento é visto também como uma forma de preparar os hospitais para a privatização através da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh), na medida em que força os estatutários a cumprir a mesma jornada que os que seriam contratados sem concurso pela terceirizada.

“O governo usa o ponto biométrico como uma maneira de jogar sobre as costas dos profissionais de saúde a responsabilidade sobre o mau funcionamento dos hospitais, o que é uma mentira, já que a culpa é do próprio governo, que reduz ao máximo os recursos, não faz a manutenção nem repõe equipamentos, muito menos medicamentos, e suspendeu a realização de concursos”, lembrou, durante a assembléia, o diretor do Sindsprev/RJ Sidney Castro. “Por isto a importância de seguir a orientação do Sindicato, posta em prática em diversos hospitais federais, de boicotar o ponto biométrico, sendo importante para isso não se cadastrar e exigir o controle de presença de papel”, lembrou o sindicalista.

Portal desrespeita privacidade de servidores

Já o chamado “portal da transparência” é na verdade um imenso “Big Brother”, permitindo que qualquer um invada a privacidade do servidor, tendo acesso a seus dados, entre outros, valor do salário e CPF; além disto, cria vários outros transtornos para sua vida profissional e pessoal, como a não permissão da troca de plantões, quando necessário, o que pode acontecer em caso de doença, por exemplo. Pelo portal é possível a qualquer pessoa saber qual a remuneração do servidor, através da internet, e quando ele está de plantão na unidade. Uma técnica de enfermagem contou que uma colega foi ameaçada por um desconhecido, através do telefone do HFB. O homem teria dito saber quando encontrá-la no hospital.

Além disso, pelas regras do portal, deve ser afixado, na parede do local de atendimento de pacientes, papel com o nome e matrícula de todos os que estão de plantão naquele dia. “Pode acontecer de um profissional ser procurado e não se encontrar por motivo de força maior, podendo ser punido por isto”, argumentou Sidney. O dirigente se comprometeu a solicitar ao Departamento Jurídico do Sindsprev/RJ o estudo de medidas jurídicas para impedir o funcionamento do portal, com toda esta invasão de privacidade. “Também vamos marcar uma nova reunião aqui, para que um advogado do Sindicato possa tirar dúvidas”, disse.

Negociação em Brasília

Sidney chamou a atenção para a importância da luta contra o portal e o ponto ser de todos os servidores da saúde federal. “O portal ia começar por aqui, mas não havia condições técnicas para isto. Porém, a idéia do governo é implantá-lo em todas as unidades, daí a necessidade de os servidores de todas elas organizarem uma luta unitária, bem como fortalecer o boicote ao ponto biométrico”, convocou.

Segundo o diretor do Sindsprev/RJ, uma comissão de representantes de hospitais federais do Rio de Janeiro foi a Brasília para uma reunião com o Ministério da Saúde, nesta quinta-feira. “Vão tratar de diferentes questões, entre elas o nosso Plano de Carreira, Cargos e Salários (PCCS), da equiparação salarial entre ativos e aposentados, incorporação das gratificações e, naturalmente, do ponto biométrico e do portal da transparência”, adiantou.






     Voltar

Ir para o topo | Envie esta página para um amigo | © SINDSPREV 2007  |  Desenvolvido por Spacetec