Home
|
|
|
|
|

| Saúde Federal | Saúde Estadual | Saúde Municipal | INSS | MPS | Funasa | DRT | PSF ACS ACE | Ações Judiciais | Comunitário | Política | Economia | Cultura | Geral | Galeria de Fotos | Links | Erramos 30/05/2019 15/05/2019 14/05/2019 03/05/2019 10/04/2019
Saúde Federal  

Dia Nacional de luta contra a PEC 55 começa com ato no Instituto de Cardiologia

11/11/2016


Servidores protestam contra a PEC 241 em frente ao INC, como parte do Dia Nacional de Greves e Manifestações
Foto: Fernando França

Da Redação Sindsprev/RJ
Por Olyntho Contente

Começaram cedo os protestos desta sexta-feira 11, como parte do Dia Nacional de Greves e Manifestações contrário à aprovação, pelo Senado, da Proposta de Emenda Constitucional 55 (antiga PEC 241). No Rio de Janeiro, duas atividades deram início às mobilizações pela manhã: um ato público unificado dos servidores da saúde federal e da educação, em frente ao Instituto Nacional de Cardiologia de Laranjeiras (INC), e outro, de servidores federais, no Cristo Redentor.

O ato em frente ao INC, além de repudiar a chamada PEC da Morte, protestou contra o plano do prefeito eleito, Marcelo Crivela (PRB-RJ), de municipalizar os nove institutos e hospitais federais do estado. Para a diretora do Sindsprev/RJ Lúcia Pádua, trata-se de municipalizar para depois privatizar essas unidades através de empresas travestidas de organizações sociais (OS).

“O prefeito Eduardo Paes, seguindo a mesma lógica de Sérgio Cabral e Pezão, criou um rombo nas finanças da Prefeitura, ao investir pesadamente recursos públicos nas Olimpíadas e na Copa do Mundo. Na saúde, entregou os hospitais às OS, esquema viciado que Crivela vai manter, agora, com o plano de entregar as essas empresas as unidades federais”, denunciou a dirigente.

Para Cláudia Barcelos, integrante do Núcleo Sindical do INC, o objetivo do bispo da Universal é pegar o dinheiro federal e pagar às OS para que administrem os hospitais, privatizando-os e ao mesmo tempo beneficiando estas que são futuras financiadoras de sua campanha. “O prefeito já conversou com o ministro da Saúde Ricardo Barros que se mostrou interessado, já que pretende acabar gradualmente com o Sistema Único de Saúde (SUS) para economizar recursos e abrir mais espaço para os planos de saúde”, afirmou.

Combate à PEC

O diretor do Sepe (Sindicato Estadual dos Profissionais da Educação) Eduardo Mariano convocou, durante o ato, a população a participar da campanha pelo arquivamento da PEC 55. “A população tem que entender que esta proposta de emenda constitucional corta bilhões em recursos para os serviços que atendem às necessidades de milhões de pessoas. E será um grande corte, gradual e crescente, que virá através do congelamento do Orçamento da União por 20 anos. O governo Temer chama a PEC de contenção de gastos, nós chamamos de desmantelamento dos serviços básicos prestados à população, sobretudo nas áreas de saúde, educação, transporte, habitação e programas sociais, com desmonte e fechamento de escolas, universidades, hospitais e postos de saúde”, alertou.

Passeata na Candelária

Servidora da saúde, dirigente da central sindical CSP-Conlutas e do Fórum de Saúde do Rio de Janeiro, Cintia Teixeira convocou servidores federais, funcionários do estado, trabalhadores do setor privado, estudantes, enfim, toda a população, a participar da passeata desta sexta-feira (11/11), da Candelária à Cinelândia. A concentração é às 17 horas. Ela lembrou que outra manifestação semelhante já está sendo convocada pela CSP-Conlutas, CUT e CTB para o dia 25, e que o objetivo é construir uma greve geral contra a PEC 55.

Falou também sobre a luta dos servidores do estado. “Conseguimos com a nossa mobilização uma primeira vitória contra o pacote de maldades do governador Luiz Fernando Pezão, com a retirada do aumento da contribuição previdenciária de 11% para 30%. Mas o restante do pacote com os cortes de recursos e direitos e arrocho salarial continua intacto. A passeata de hoje, da Candelária à Alerj, unifica a luta dos servidores do estado com a de todos os trabalhadores contra a PEC da Morte. Tanto o pacotão de Pezão quanto a PEC de Temer têm o mesmo objetivo, que é retirar direitos, arrochar os salários e reduzir ainda mais os recursos para os serviços públicos, com graves prejuízos para a população mais pobre. Por isto mesmo temos que combatê-los juntos”, defendeu.






     Voltar

Ir para o topo | Envie esta página para um amigo | © SINDSPREV 2007  |  Desenvolvido por Spacetec