Home
|
|
|
|
|

| Saúde Federal | Saúde Estadual | Saúde Municipal | INSS | MPS | Funasa | DRT | PSF ACS ACE | Ações Judiciais | Comunitário | Política | Economia | Cultura | Geral | Galeria de Fotos | Links | Erramos 30/05/2019 15/05/2019 14/05/2019 03/05/2019 10/04/2019
Saúde Federal  

Nesta terça (19/9), pacientes e servidores abraçam Hospital de Ipanema

15/09/2017

 
Um dos atos foi no Instituto Nacional de Cardiologia (INC), em Laranjeiras
Foto: Mayara Alves

Da Redação do Sindsprev/RJ
Por Olytnho Contente

Servidores e pacientes participam de um abraço simbólico ao Hospital de Ipanema, na próxima terça-feira (19/9), às 10 horas, em frente à unidade. Funcionários de outros hospitais também estarão presentes. A manifestação faz parte da luta contra o desmonte e a privatização da rede federal, comandados pelo Hospital Sírio-Libanês, contratado pelo ministro Ricardo Barros, homem de confiança dos planos de saúde e investigado por corrupção.

O protesto está sendo convocado pela Frente em Defesa dos Institutos e Hospitais Federais, da qual participam diversas entidades, uma delas o Sindsprev/RJ. Diversos atos vêm sendo organizados pela Frente em várias unidades da rede, entre elas o Instituto Nacional de Cardiologia, o Hospital Federal de Bonsucesso, o dos Servidores e o da Lagoa. No último dia 12/9, foi realizado um abraço simbólico ao Hospital da Lagoa.

GT discute greve

A greve pelo fim do sucateamento e para barrar a privatização da rede federal será o assunto principal em pauta no Grupo de Trabalho (GT) da Saúde Federal, que se reúne na próxima quinta-feira (21/9), a partir das 17 horas, no auditório do Sindsprev/RJ (Rua Joaquim Silva, 98, Lapa). Dele participarão representantes de todos os institutos e hospitais da rede. Outros temas serão o Siref e o ponto biométrico.

Joana D’Arc, da Associação de Funcionários do Hospital de Ipanema, defendeu a unidade de todos os profissionais de saúde. Lembrou da importância dessa união para preservar os hospitais federais públicos, conquistar a extensão das 30 horas para todos também no Ipanema, o fim do ponto biométrico e  de inconsistências do Siref. “As 30 horas são uma conquista do movimento. Já saiu a Portaria com extensão para todos, no Hospital de Bonsucesso, no dos Servidores e no Andaraí. Queremos o mesmo aqui”, disse.

O diretor do Sindsprev/RJ Sidney Castro também defendeu a unificação de todos os profissionais da saúde federal como única forma de barrar a entrega dos últimos hospitais públicos a grupos privados. “Não adianta se enganar, ficar pensando que, por ser chefe ou diretor, não será atingido. Temos que nos mobilizar em todos os hospitais, arregaçar as mangas e, mais do que isso, nos juntarmos todos de todas as unidades para impedir este processo privatista que está em curso e do qual ninguém está livre de ser atingido”, afirmou, acrescentando que o emprego de todos está em risco.

Projeto privatista

Lúcia Pádua, servidora e ex-diretora do Sindsprev/RJ, lembrou que o ministro Ricardo Barros defende o interesse das empresas privadas do setor, tanto é assim que contratou o Sírio-Libanês para promover a reestruturação do setor, o que é nada mais, nada menos, que a privatização. “Em todas as vezes em que se pronuncia sobre o filé-mignon da saúde pública, que é a rede federal do Rio de Janeiro, diz que ela é muito cara e ineficiente e tenta jogar sobre as nossas costas a culpa pelo caos causado pelo corte de verbas, pelo déficit de pessoal, pela falta dos mais variados insumos que evidentemente é uma iniciativa proposital do ministério da saúde, do governo Temer. Este é, obviamente, o discurso de quem quer entregar as unidades para organizações sociais”, constatou.






     Voltar

Ir para o topo | Envie esta página para um amigo | © SINDSPREV 2007  |  Desenvolvido por Spacetec