Home
|
|
|
|
|

| Saúde Federal | Saúde Estadual | Saúde Municipal | INSS | MPS | Funasa | DRT | PSF ACS ACE | Ações Judiciais | Comunitário | Política | Economia | Cultura | Geral | Galeria de Fotos | Links | Erramos 12/09/2017 06/09/2017 01/09/2017 30/08/2017 30/08/2017
Saúde Federal  

Nesta terça (5), ato da seguridade contra a reforma da previdência, no HFB

04/12/2017

 

 

 

 

Assembleia aprova fortalecimento do ato em frente ao HFB
Foto: Fernando França

 

Da Redação do Sindsprev/RJ
Por Olyntho Contente

Em assembleia nesta segunda-feira (4/12), os servidores do Hospital Federal de Bonsucesso decidiram fortalecer o ato unificado da saúde federal e do INSS, às 10 horas, em frente à unidade, nesta terça-feira, dia 5, contra a reforma da Previdência. Os dois setores vão participar também da passeata geral que os trabalhadores das várias categorias farão no mesmo dia contra a reforma e que tem concentração a partir das 16 horas, na Candelária.

Houve críticas em relação à decisão das centrais sindicais – CUT, Força Sindical, UGT, CTB, CSB – de suspender o Dia Nacional de Paralisação contra a reforma, neste dia 5, em função da resolução do governo de não votar a reforma nesta quarta-feira. Para o diretor do Sindsprev/RJ Sidney Castro, foi um erro grave, já que com o recuo do governo a pressão tinha que aumentar ainda mais. “Tanto foi um erro que o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, anunciou que tem 350 votos a favor da reforma. Que não votará esta semana, mas na próxima. Não é hora de recuar, mas de ir pra cima com toda a força”, afirmou.

A diretora da Fenasps, Lúcia Pádua, também condenou o recuo das centrais, do qual não participou uma delas, a CSP-Conlutas. “Vamos manter todas as mobilizações, dentre elas o ato unificado aqui no Hospital de Bonsucesso e a passeata da Candelária à Cinelândia, que tem concentração às 16 horas”, afirmou. A dirigente lembrou que a reforma previdenciária faz parte de um amplo projeto político do governo Temer, que inclui, no caso da saúde, a imposição do ponto eletrônico, que não funciona, e tem por objetivo desmoralizar os servidores, além do esvaziamento e sucateamento dos hospitais para posterior privatização. A diretora do Sindicato Maria Celina acrescentou que faz parte desse projeto a terceirização completa do INSS.

Foram dados informes sobre a negociação que ocorreu na semana passada em Brasília, que tinha como ponto de pauta o Siref. Essas informações constarão de matéria a ser publicada nesta terça-feira (5/12).






     Voltar

Ir para o topo | Envie esta página para um amigo | © SINDSPREV 2007  |  Desenvolvido por Spacetec