Home
|
|
|
|
|

| Saúde Federal | Saúde Estadual | Saúde Municipal | INSS | MPS | Funasa | DRT | PSF ACS ACE | Ações Judiciais | Comunitário | Política | Economia | Cultura | Geral | Galeria de Fotos | Links | Erramos 30/05/2019 15/05/2019 14/05/2019 03/05/2019 10/04/2019
Saúde Estadual  

Votação na Alerj pode acontecer a qualquer momento: servidores em alerta total

14/12/2016

 

 

 

Monitoramento dia e noite: servidores em vigília, em barracas em frente à Assembleia Legislativa
Foto: Mayara Alves

 

Da Redação do Sindsprev/RJ
Por Olyntho Contente

Os servidores do estado devem ficar em alerta máximo, procurando se informar com os seus sindicatos sobre o processo de tramitação do pacote de maldades na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj). A orientação é do Movimento Unificado dos Servidores do Estado (Muspe), diante da possibilidade de a votação das medidas do governo do estado acontecer a qualquer momento, mesmo tendo sido remarcada para a próxima terça-feira (20/12) pelo presidente da Alerj, Jorge Piccianni. Incialmente, estava prevista para ocorrer nesta quarta (14/12).

A diretora do Sindsprev/RJ Mariá Casa Nova disse que a vigília na porta da Alerj permanecerá para acompanhar o desenrolar dos acontecimentos e tomar providências, como a convocação imediata dos servidores, no caso de uma votação extraordinária ser convocada. “O funcionalismo deve ficar em estado da alerta. Não podemos confiar em Pezão e Pìcciani”, argumentou.

A dirigente da CSP-Conlutas Cintia Teixeira, que também participa da vigília, conversou com parlamentares da oposição, que confirmaram não estar prevista na ordem do dia a votação para esta quarta-feira (14/12). Mas disse achar estranha a presença de um grande contingente de policiais militares e membros da Força Nacional no local. “Eles estão se comportando como se fosse haver votação. Mesmo que tenha sido marcada para a próxima terça-feira, nada impede que Picciani convoque uma sessão extraordinária para fazer isto na quinta ou sexta-feira”, disse.

O diretor do Sindicato dos Policiais Civis Paulo Ferreira concordou com essas avaliações e frisou que a votação ainda não aconteceu pela divisão da base governista, em função da grande pressão dos servidores, da prisão de Sérgio Cabral Filho e da ameaça de as investigações da Lava-Jato chegarem a Pezão.

Grande ato na terça-feira, 20/12

Paulo acrescentou que uma grande manifestação está sendo convocada para a próxima terça-feira (20/12), dia em que foi marcada a votação do pacote de maldades. “Mas o Muspe e os sindicatos que dele participam podem antecipar o ato na Alerj, caso haja alguma tentativa de golpe”, afirmou.






     Voltar

Ir para o topo | Envie esta página para um amigo | © SINDSPREV 2007  |  Desenvolvido por Spacetec