Home
|
|
|
|
|

| Saúde Federal | Saúde Estadual | Saúde Municipal | INSS | MPS | Funasa | DRT | PSF ACS ACE | Ações Judiciais | Comunitário | Política | Economia | Cultura | Geral | Galeria de Fotos | Links | Erramos 30/05/2019 15/05/2019 14/05/2019 03/05/2019 10/04/2019
Saúde Estadual  

Saúde estadual: secretário compromete-se a rever cortes de ponto da greve e transferências

06/03/2017

Secretário Luiz Antônio Teixeira Júnior, na mesa, em audiência com servidores agendada após ocupação da SES-RJ
Foto: Niko

 

Da Redação do Sindsprev/RJ
Por André Pelliccione

Em audiência com servidores da saúde estadual realizada na tarde desta segunda-feira 6, o secretário estadual de saúde, Luiz Antônio Teixeira Júnior, prometeu rever o método utilizado nas transferências de servidores dos hospitais estaduais Eduardo Rabello (zona oeste) e Carlos Chagas (zona norte) para o Hospital Estadual Anchieta (no Caju). Segundo Luiz Antônio, os servidores que já se transferiram receberão incentivos (benefícios) que, no entanto, não precisou quais seriam. Quanto aos servidores que ainda não se transferiram, a Secretaria de Estado de Saúde (SES-RJ) vai conversar com os trabalhadores, consultando-os e analisando caso a caso. “Quem quiser permanecer no Eduardo Rabello vai ficar ali e iremos respeitar esse desejo. O fato é que as transferências sempre serão feitas a partir de uma conversa com os servidores, transferências que continuarão sendo necessárias”, disse o secretário, que também se comprometeu a rever os cortes de ponto aplicados durante a greve da saúde estadual, com especial atenção para os casos da Perícia Médica do Estado e do Instituto Ary Parreiras (Niterói), apesar de ter tentado justificar tais cortes com o argumento de que os servidores teriam 'descumprido a escala de greve'. "Que escala de greve que nada. Todo mundo sabe que, nas unidades, mais de 75% dos servidores estão trabalhando. O secretário quer que as unidades tenham 100% de servidores trabalhando?", questionou a diretora do Sindsprev/RJ Rosimeri Paiva, que também criticou as respostas dúbias do secretário sobre as transferências. "Queremos é que os servidores já transferidos para o Anchieta tenham a opção de voltar para suas unidades, se quiserem", disse ela.

Realizada no auditório da Secretaria de Estado de Saúde (SES-RJ), no 11º andar do edifício da rua México 128, Centro do Rio, a audiência foi conquistada após os servidores ocuparem as dependências da SES-RJ, durante protesto contra as transferências, organizado pelo Departamento da Saúde Estadual do Sindsprev/RJ.

Sem respostas para atrasos de salários e 13º

Apesar do compromisso do secretário de rever a metodologia utilizada nas transferências, o tom geral da audiência — que lotou o auditório com servidores das principais unidades do Rio, como Carlos Chagas, Eduardo Rabello, Getúlio Vargas, Rocha Faria, Perícia Médica, Ary Parreiras e Azevelo Lima, além de cedidos aos municípios — foi de frustração. Na questão dos salários e décimo-terceiro atrasados, por exemplo, Luiz Antônio Teixeira Júnior alegou que esta ‘é uma atribuição da Secretaria de Estado de Fazenda (Sefaz)’ e que, portanto, não possuiria gestão sobre o problema. Em dado momento, o secretário chegou a afirmar que, dos esforços que estaria empreendendo para regularizar os salários, os aposentados e os servidores cedidos aos municípios fluminenses estariam excluídos, o que gerou imediatos protestos dos servidores presentes.

“É um absurdo o que está sendo dito aqui. Se há problemas de caixa no Estado, por que então na Perícia Médica continuam contratando pessoas para funções comissionadas”, questionou Rosimeri Paiva, sem obter qualquer resposta do secretário.

Servidores questionam exclusão de cedidos

Sobre a reivindicação de vale-transporte, Luiz Antônio disse que tentará implementar o benefício no âmbito da Secretaria, sem prazo definido, mas com exclusão dos servidores cedidos aos municípios fluminenses, o que gerou novos protestos. Em tom indignado, a servidora Mariá Casanova rebateu o secretário. “Vou sair desta reunião traumatizada. Quer dizer que os servidores cedidos serão pagos no calendário geral do estado, ainda mais atrasado, e também não terão a garantia de vale-transporte? É injusto, indecente e imoral. Quem criou a crise foi o governo e nós não podemos pagar por essa crise”, desabafou.

Também participaram da audiência com Luiz Antônio Teixeira Júnior servidores da Vigilância Sanitária do Estado. O ato pela manhã contou com a presença de representantes da Conlutas, do Movimento Unificado dos Servidores do Estado (Muspe), da Associação do Proderj e do Sindicato dos Servidores do Ministério Público, além do deputado estadual Paulo Ramos (PSOL).




Assembleia Saúde do Estado

Audiência com Luiz Antônio Teixeira Júnior (foto) foi realizada após ocupação promovida por servidores na rua México 128.
Anterior 10 foto(s) Próxima
- Foto: Fernando de França



     Voltar

Ir para o topo | Envie esta página para um amigo | © SINDSPREV 2007  |  Desenvolvido por Spacetec