Home
|
|
|
|
|

| Saúde Federal | Saúde Estadual | Saúde Municipal | INSS | MPS | Funasa | DRT | PSF ACS ACE | Ações Judiciais | Comunitário | Política | Economia | Cultura | Geral | Galeria de Fotos | Links | Erramos 30/05/2019 15/05/2019 14/05/2019 03/05/2019 10/04/2019
Saúde Estadual  

Muspe convoca ato para esta quarta, 13h, na Alerj contra pacote de Pezão

22/05/2017


Servidores vão voltar a ocupar a Alerj, como já fizeram antes para barrar pacote de Pezão
Foto: Fernando França

Da Redação do Sindsprev/RJ
Por Olyntho Contente

Aproveitando-se de que grande parte dos trabalhadores do Rio estará em Brasília participando do ocupação da capital federal contra as reformas, pelo Fora Temer e eleições diretas já, o governador Pezão (PMDB) decidiu dar um golpe e colocar para votar, no mesmo dia, na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), o seu pacote de corte de direitos do funcionalismo público estadual. Ao saberem disso, os sindicatos que integram o Movimento Unificado dos Servidores do Estado (Muspe), entre eles o Sindsprev/RJ, decidiram convocar os servidores do estado para uma grande manifestação para esta quarta-feira (24/5), às 13 horas, em frente à Alerj.

O pacote é duro. Entre outras mudanças, prevê o aumento da alíquota previdenciária, de 11% para 14%. Mas, para votar o pacotão, Pezão tem que aprovar, antes, na Assembleia, a prorrogação do Decreto de Estado de Calamidade Pública até 2018, proposta que teve a votação adiada na semana passada, ao receber emendas. Com o Decreto, o estado tem base legal para descumprir alguns artigos da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) sem sofrer as sanções previstas na legislação. Se aprovada a prorrogação do Decreto, na quarta-feira  haverá a votação do pacote de maldades, o mesmo apresentado por Pezão (PMDB) em novembro do ano passado.

Para a diretora do Sindsprev/RJ Rosimeri Paiva (Rose), os servidores não podem pagar o preço pelo rombo provocado pela quadrilha de Cabral. “Estamos sem reajuste há mais de dez anos, com o pacote ficaremos pelo menos mais três anos com salários congelados. Se aceitarmos sofrer mais três pontos percentuais de desconto no contracheque, em pouco tempo estaremos recebendo o salário mínimo como remuneração”, afirmou.






     Voltar

Ir para o topo | Envie esta página para um amigo | © SINDSPREV 2007  |  Desenvolvido por Spacetec