Home
|
|
|
|
|

| Saúde Federal | Saúde Estadual | Saúde Municipal | INSS | MPS | Funasa | DRT | PSF ACS ACE | Ações Judiciais | Comunitário | Política | Economia | Cultura | Geral | Galeria de Fotos | Links | Erramos 30/05/2019 15/05/2019 14/05/2019 03/05/2019 10/04/2019
Geral  

Assembleia da seguridade aprova plano de lutas contra corte de direitos

02/09/2016

Servidores aprovam plano de lutas contra o corte de direitos, com ida a Brasília nos dias 12, 13 e 14/9
Foto: Niko

Da Redação do Sindsprev/RJ
Por André Pelliccione

Em assembleia estadual realizada na noite desta quinta-feira (1/9), no auditório do Sindsprev/RJ, os servidores da seguridade e do seguro social aprovaram um plano de lutas que prevê a participação da categoria na Jornada de Mobilizações que acontece entre os dias 12 e 14 de setembro, em Brasília, com manifestações em defesa da previdência pública e contra o corte de direitos previsto no Projeto de Lei (PL) 257 e na PEC 241. A Jornada está sendo convocada pelas principais entidades (sindicatos e federações) de servidores públicos do país, além das centrais sindicais. Com apoio da Anasps, o Sindsprev/RJ vai enviar um ônibus com militantes à capital federal.

Outras deliberações da assembleia foram o apoio à paralisação dos servidores públicos municipais de Caxias (Baixada Fluminense), dias 8 e 9/9; o envio de representação do sindicato ao Simpósio Internacional de Saúde da População Negra, que acontece em Novembro, em Porto Alegre; que as relações políticas entre o Sindsprev/RJ e a Fenasps sejam debatidas nos fóruns do sindicato para se definir uma posição a respeito; o apoio político às candidaturas (vereadores e prefeitos) de servidores da base do sindicato nas eleições municipais deste ano; e a manutençaõ da contribuição extraordinária até o final do mandato da atual diretoria, em dezembro. A contribuição tem um valor fixo de R$ 12,50 para cada servidor associado.

Os servidores da base do Sindsprev/RJ que são candidatos e receberão apoio político do sindicato são os seguintes: Cristiane Bulhões (PSOL), a prefeita em São João de Meriti; Pedro Lima (Rede), a vereador em Campos dos Goytacazes; Clara Fonseca (PSOL), a vereadora no Rio de Janeiro; Mariá Casanova (PSOL), a vereadora em Niterói; e Christiane Gerardo (PSOL), a vereadora em Itaguaí.

Unidade para enfrentar governos

Após a apresentação de informes setoriais (INSS, Saúde Federal, Saúde Estadual, Saúde Municipal, Funasa e PSF), a assembleia fez rápida análise da atual conjuntura para os servidores, concluindo pela urgência de se construir planos unificados de mobilização e defesa de conquistas históricas. “Há pouco mais de um mês, nós do Inca fizemos três dias de uma forte greve que forçou o governo federal a recuar na tentativa de cortar 40% dos nossos salários. Esse é o caminho”, afirmou o servidor Pedro Ferreira, do Inca. “Temos que nos unir, apesar das nossas diferenças, para enfrentarmos os ataques que o atual governo move contra nossos direitos, e o primeiro passo é participarmos das jornadas de luta em Brasília”, completou Luiz Fernando Carvalho, da direção do Sindsprev/RJ.

Em defesa da previdência pública

“O Ministério da Previdência foi extinto recentemente, o que vai trazer graves consequências para a distribuição de renda no país. Sempre fizemos oposição ao PT, mas não dá pra dizer que o governo Dilma, que já atacava nossos direitos, é igual ao de Temer. O governo Temer é facínora e quer retirar todos os nossos direitos. Precisamos diminuir nossas diferenças e construir a necessária unidade. Dias 12, 13 e 14 de setembro, estaremos em Brasília”, afirmou Janira Rocha, servidora do INSS e ex-dirigente do sindicato.

Manifestando pessimismo, a servidora do INSS Maysa Campos de Souza criticou o imobilismo na luta contra a reforma da previdência. “O governo Temer nos ataca todos os dias com projetos como o PL 257 e a PEC 241, mas não fazemos nada nos últimos meses. Ou lutamos de verdade agora ou isso tudo será um teatro”, disse.

Polêmica sobre contribuição extraordinária

O debate mais caloroso e polêmico da assembleia foi o que precedeu a votação e aprovação da manutenção da contribuição extraordinária dos associados do Sindsprev/RJ. “A continuidade dessa contribuição estava condicionada à implementação da reforma administrativa e financeira do Sindsprev/RJ, o que a atual direção não fez, jogando a responsabilidade apenas nas costas dos funcionários da entidade. Por isso sou contra a continuidade dessa contribuição”, disse Janira Rocha. Na mesma linha se manifestou o servidor Eduardo Pedroso, do Hospital Federal dos Servidores do Estado (HFSE): “na época em que aprovaram a contribuição pela primeira vez, disseram que era pra fazer o congresso da categoria, que ainda não aconteceu não se sabe por qual motivo”.

Rebatendo essas críticas, o diretor do Sindsprev/RJ Rolando Medeiros defendeu a mantuenção da contribuição. “Hoje a folha de pagamento dos funcionários do sindicato quase encosta na receita, mas precisamos garantir recursos para financiar as principais lutas das categorias que representamos. Daí a importância de mantermos a contribuição, pois ela vai garantir o funcionamento da estrutura do Sindsprev/RJ a serviço da própria categoria. A solução para o problema financeiro do sindicato não é demitir funcionários. Não é dessa forma que se resolve. O nosso sindicato não tem dinheiro de imposto sindical ou FAT, sendo financiado exclusivamente pelas contribuições de seus associados. Portanto, a contribuição é mais do que justa”, disse.

A assembleia desta quinta-feira (1/9) foi convocada com base nos artigos 18 e 33 (alínea “C”) do Estatuto do Sindsprev/RJ.






     Voltar

Ir para o topo | Envie esta página para um amigo | © SINDSPREV 2007  |  Desenvolvido por Spacetec