Home
|
|
|
|
|

| Saúde Federal | Saúde Estadual | Saúde Municipal | INSS | MPS | Funasa | DRT | PSF ACS ACE | Ações Judiciais | Comunitário | Política | Economia | Cultura | Geral | Galeria de Fotos | Links | Erramos 30/05/2019 15/05/2019 14/05/2019 03/05/2019 10/04/2019
Geral  

Rio terá novo ato nesta 3ª (7) contra privatização da água e desmonte do serviço público

06/02/2017

Ato em frente à Alerj, no dia 1 de fevereiro: em defesa dos serviços públicos
Foto: Niko

Da Redação do Sindsprev-RJ
Por Hélcio Duarte Filho

Servidores estaduais , movimentos sociais e trabalhadores de outros setores voltam às ruas nesta terça-feira (7), a partir das 12 horas, para mais uma batalha contra  a aprovação do pacote de medidas que atacam os serviços públicos, o funcionalismo estadual e privatizam a água no estado do Rio. O ato acontecerá em frente à Assembleia Legislativa (Alerj), próximo à Praça XV, no Centro do Rio.

veja mais
Servidores voltam à Alerj, enfrentam repressão e dizem ‘não’ ao pacote de Pezão e Temer

O protesto está sendo convocado pelo Muspe (Movimento Unificado dos Servidores Públicos Estaduais) e por uma série de outras entidades sindicais. Os projetos acordados entre o governador do Rio, Luiz Fernando Pezão, e o presidente da República, Michel Temer, ambos do PMDB, prevêem a privatização da Cedae, a  companhia de água e esgoto, a redução da remuneração líquida dos servidores por meio do aumento da alíquota previdenciária (que passaria de 11% para 14% fixos, mais uma taxa supostamente extra de 8% por três anos), a suspensão dos concursos públicos e de contratações, entre outras medidas. O ‘acordo’, definido à revelia dos servidores e da população, é parte de compensações para a renegociação da dívida do estado com a União.

Na semana anterior, manifestação que reuniu milhares de pessoas acabou sendo duramente reprimida pela Polícia Militar. É possível que centenas de bombas de gás lacrimogêneo tenham sido lançadas contra os trabalhadores. Na av. Rio Branco, um ônibus foi incendiado, além de caçambas de lixo. Muitos manifestantes responderam com pedras às bombas lançadas pela polícia. Os servidores consideram inadmissível que o acesso às galerias do plenário da Assembleia seja negado à população, com todas as entradas da instituição pública cercadas por grades e forças policiais do estado e do governo federal.






     Voltar

Ir para o topo | Envie esta página para um amigo | © SINDSPREV 2007  |  Desenvolvido por Spacetec