Home
|
|
|
|
|

| Saúde Federal | Saúde Estadual | Saúde Municipal | INSS | MPS | Funasa | DRT | PSF ACS ACE | Ações Judiciais | Comunitário | Política | Economia | Cultura | Geral | Galeria de Fotos | Links | Erramos 30/05/2019 15/05/2019 14/05/2019 03/05/2019 10/04/2019
Geral  

Ato contra privatização da Cedae é reprimido com violência após votação na Alerj

20/02/2017

Da Redação do Sindsprev-RJ
Por Hélcio Duarte Filho

A Polícia Militar, com apoio da Guarda Municipal, reprimiu com violência protesto de trabalhadores e estudantes que transcorria após a Assembleia Legislativa do Rio votar a favor da privatização da Cedae, a companhia de água e esgoto do estado.

Os manifestantes se encontravam em frente à sede da empresa, na Cidade Nova, no Centro do Rio, e pretendiam ocupá-la em protesto contra a votação relâmpago ocorrida no início da tarde desta segunda-feira (20), na Alerj cercada por policiais militares e da Força de Segurança Nacional.

Foram lançadas muitas bombas de gás lacrimogêneo sobre os trabalhadores, além de tiros de bala de borracha. Estudantes e pelo menos um professor da rede estadual de ensino foram detidos pela polícia, em um dia em que a repressão parece ter sido maior do que em outros protestos. Segundo advogados que acompanhavam os manifestantes, 24 pessoas foram detidas e levadas para pelo menos quatro delegacias diferentes do Rio, a maioria para a 19ª DP.


Votação

A Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro aprovou, no início da tarde desta segunda, a privatização da companhia de água e esgoto estatal (Cedae) por 41 votos a favor e frente a 28 contra.

O presidente da Alerj, Jorge Picciani, não permitiu o debate prévio em plenário, não aceitou emendas e levou a matéria direto para a votação sumária pelos parlamentares, que aprovaram o texto-base. Emendas devem ser apreciadas nos próximos dias.

Do lado de fora, com a Alerj cercada por grades e tropas policiais federais (Força Nacional) e estaduais (PM), servidores e trabalhadores da Cedae faziam mais um protesto contra a medida e as demais propostas do pacote de projetos que integram o 'ajuste fiscal' negociado entre o governador Luiz Fernando Pezão e o presidente Michel Temer, ambos envolvidos em denúncias de corrupção em delações ocorridas em processos em andamento no Ministério Público e na Justiça.

A Cedae é uma estatal que dá lucro. Trabalhadores da empresa afirmam que haverá aumentos substanciais nas contas de água caso a privatização seja concretizada. O que se votou na assembleia foi a autorização para que o governador ofereça a empresa como garantia para um empréstimo do governo federal – que fica livre para colocá-la à venda, o que a intenção e objetivo declarado de ambos os governos.

Entre os ativos da Cedae, está a Estação de Tratamento do Guandu, que produz 3,5 bilhões de litros por dia e é apontada como a maior estação de tratamento do mundo. O aumento nos preços das tarifas – assim como ocorreu com a luz elétrica quando das privatizações da Light e da Ampla – é considerado certo. O empréstimo prometido pelo governo federal, de R$ 3,5 bilhões, paga apenas um mês de folha do funcionalismo estadual.

Nova manifestação está sendo convocada para esta terça-feira (21), a partir das 12 horas.






     Voltar

Ir para o topo | Envie esta página para um amigo | © SINDSPREV 2007  |  Desenvolvido por Spacetec