Home
|
|
|
|
|

| Saúde Federal | Saúde Estadual | Saúde Municipal | INSS | MPS | Funasa | DRT | PSF ACS ACE | Ações Judiciais | Comunitário | Política | Economia | Cultura | Geral | Galeria de Fotos | Links | Erramos 30/05/2019 15/05/2019 14/05/2019 03/05/2019 10/04/2019
Geral  

Ocupação de Brasília vai exigir o fim do governo Temer, das reformas e diretas, já

23/05/2017


As manifestações nos estados, como as do Rio de Janeiro, durante a Greve Geral de 28 de abril, agora vão se concentrar todas em Brasília
Foto: Fernando França

Da Redação do Sindsprev/RJ
Por Olyntho Contente

Um dos maiores protestos já vistos em Brasília. Esta é a expectativa das centrais sindicais em relação à manifestação gigante desta quarta-feira, 24 de maio. Ônibus de todas as categorias e estados, fretados por sindicatos, entre eles o Sindsprev/RJ, estão chegando à capital federal. As principais reivindicações são o fim do governo Temer, mergulhado na lama da corrupção, o arquivamento dos projetos de reforma previdenciária e trabalhista, o fim da terceirização e eleições diretas a serem convocadas imediatamente após a derrubada de Temer.

Antes de embarcar em ônibus para Brasília, nesta segunda-feira 22, diretores do Sindsprev/RJ lembraram que o risco de aprovação das reformas continua, já que as forças conservadoras da sociedade e no Congresso Nacional, se articulam para que o substituto de Temer, no caso de sua queda, seja alguém que implemente o mesmo projeto de retirada de direitos. Por isto defenderam a necessidade de ampliar a luta contra as reformas, somando a ela, a campanha Fora Temer e por diretas, já.

Para os diretores do Sindicato, o governo Temer e o Congresso Nacional, envolvidos e investigados por corrupção, não têm condições morais de votar qualquer projeto, muito menos de eleger indiretamente um presidente biônico. Por isto mesmo, a hipótese da eleição indireta de um novo presidente pelo Congresso, no caso da derrubada de Temer, não pode nem ser cogitada. A sociedade exige eleições diretas, já.

Fora reformas

A situação de Temer ficou insustentável após a divulgação da delação premiada dos donos da JBS, Joesley e Wesley Batista, e de mais cinco integrantes da empresa. Em gravação feita pelos delatores, Temer orienta o pagamento de propina para comprar o silêncio do deputado Eduardo Cunha (PMDB). Gravações mostram, ainda, o senador Aécio Neves combinando o recebimento de dinheiro da empresa.

A manifestação nacional pelo afastamento de Temer e contra as reformas, que acontecerá nesta quarta-feira (24/5), está sendo convocada pelas centrais sindicais, sindicatos de servidores públicos e de categorias do setor privado.





     Voltar

Ir para o topo | Envie esta página para um amigo | © SINDSPREV 2007  |  Desenvolvido por Spacetec