Home
|
|
|
|
|

| Saúde Federal | Saúde Estadual | Saúde Municipal | INSS | MPS | Funasa | DRT | PSF ACS ACE | Ações Judiciais | Comunitário | Política | Economia | Cultura | Geral | Galeria de Fotos | Links | Erramos 12/09/2017 06/09/2017 01/09/2017 30/08/2017 30/08/2017
Geral  

Sindicato debate sexualidade na terceiridade

07/02/2018

Por Olyntho Contente

Da Redação do Sindsprev/RJ

Foto: Mayara Alves

Servidoras ouvem a palestra da especialista em sexualidade

O Grupo de Trabalho Qualidade de Vida do Sindsprev/RJ convidou a psicanalista Eliza Suero, do Programa Viva Melhor da Geap, para falar sobre a sexualidade na terceiridade. A palestra foi ministrada nesta quarta-feira (7/2), no auditório do sindicato. A especialista lembrou que neste período da vida o ser humano sofre mudanças físicas, o que não significa o fim do interesse sexual.

“O ingrediente mais importante é a autoestima, é a pessoa estar bem consigo e saber das suas qualidades, procurando estar de bem com a vida. Costumo dizer que a sexualidade não se restringe à penetração, mas a viver com prazer. Esta forma de encarar a vida é fundamental para despertar a libido”, explicou. Em seguida, lembrou que há inúmeras formas de resolver problemas de falta de interesse sexual gerados por questões físicas e emocionais. Citou, entre outros, tratamentos psicoterapêuticos, medicamentos, meditação e utilização de hormônios, como a testosterona, além de lubrificantes, no caso da mulher.

Falou, particularmente da depressão, como inibidor sexual. “Se o objetivo é viver a vida com prazer, a depressão é um empecilho. É falta de energia, de vontade para tudo e tem que ser tratada”, aconselhou. Citou a psicoterapia e a meditação, como formas eficazes, além do tratamento com medicação. Ao final da palestra, distribuiu uma pesquisa para que cada servidora presente enumerasse seus traços fortes e traços fardos. “Este exercício permite se conhecer melhor, o que é importante para aproximar-se do outro”. Leu um texto de Mário Prata em que o escritor faz uma analogia entre a adolescência e o que chamou de “envelhecência” um período após entre os 45 e 65 anos, entre a maturidade e a velhice.

“A envelhecência nada mais é que uma preparação para entrar na velhice, assim como a adolescência é uma preparação para a maturidade. Engana-se quem acha que o homem maduro fica velho de repente, assim da noite para o dia. Antes vem a envelhecência”, diz um trecho do texto.  






     Voltar

Ir para o topo | Envie esta página para um amigo | © SINDSPREV 2007  |  Desenvolvido por Spacetec