Home
|
|
|
|
|

| Saúde Federal | Saúde Estadual | Saúde Municipal | INSS | MPS | Funasa | DRT | PSF ACS ACE | Ações Judiciais | Comunitário | Política | Economia | Cultura | Geral | Galeria de Fotos | Links | Erramos 30/05/2019 15/05/2019 14/05/2019 03/05/2019 10/04/2019
Geral  

Nesta segunda (19/2), todos ao ato contra a reforma da previdência

14/02/2018


Servidores públicos em panfletagem contra a reforma da previdência, no aeroporto Santos Dumont
Foto: Niko

Da Redação do Sindsprev/RJ

O Sindsprev/RJ convoca os servidores da seguridade (Saúde, Trabalho e Previdência) e seguro social (INSS) para o grande ato público unificado contra a reforma da previdência, que acontece nesta segunda-feira (19/2), a partir das 17h, na Candelária. A manifestação está sendo convocada pelas centrais sindicais (CUT, Força Sindical, CTB, CSP Conlutas), além das frentes Brasil-Popular e Povo Sem-Medo, de sindicatos e federações do funcionalismo público e de categorias da iniciativa privada, como bancários, petroleiros e comerciários, entre outras. Participe.

Na quinta-feira (22/2), acontece a assembleia estadual da seguridade e do seguro social, que vai definir como os servidores da saúde e previdência vão participar da greve geral contra a reforma da previdência, que as centrais devem convocar para 28 de fevereiro. A assembleia será no auditório do Sindsprev/RJ (rua Joaquim Silva, 98 – térreo), a partir das 18h. Compareça.

Reforma ataca direito de aposentadoria

O governo Temer (PMDB) ainda não tem os 308 votos necessários para aprovar a reforma no Congresso, mas pretende colocar o texto para discussão, na Câmara dos Deputados, a partir do dia 19. A intenção do governo é votar a reforma até 28/2.  A reforma aumenta a idade mínima (65 anos para homens e 62 para mulheres) exigida para concessão da aposentadoria. Também aumenta o tempo de contribuição exigido, acaba com a pensão integral em caso de morte do cônjuge e eleva, de 65 para 68 anos, a idade mínima para idosos pobres receberem o BPC (Benefício de Prestação Continuada).

Se a reforma for aprovada, milhões de trabalhadores não poderão mais se aposentar. Mesmo os que ainda puderem se aposentar o farão com perdas de direitos.

É preciso barrar a reforma. E tem que ser agora.






     Voltar

Ir para o topo | Envie esta página para um amigo | © SINDSPREV 2007  |  Desenvolvido por Spacetec