Home
|
|
|
|
|

| Saúde Federal | Saúde Estadual | Saúde Municipal | INSS | MPS | Funasa | DRT | PSF ACS ACE | Ações Judiciais | Comunitário | Política | Economia | Cultura | Geral | Galeria de Fotos | Links | Erramos 12/09/2017 06/09/2017 01/09/2017 30/08/2017 30/08/2017
Geral  

Departamento de Saúde do Trabalhador(a) tem sido decisivo na luta contra o adoecimento

31/10/2018


Da Redação doSindsprev/RJ

No dia 26 de outubro, circularam, em vários grupos de whatsapp dos servidores de combate a endemias do Ministério da Saúde, comentários de companheiros sobre os casos de mortes na categoria. Vários desses companheiros se disseram indignados e também afirmaram que “os sindicatos não estavam fazendo nada a respeito”.


Diante do exposto,
o Departamento de Sáude do Trabalhador e da Trabalhadora do Sinsprev/RJ
tem a dizer o seguinte:

Os casos de adoecimentos e mortes na categoria também nos indignaram e continuam nos indignando, só que antes dessas mortes fomos levados a tomar uma atitude, que foi a reativação do Departamento de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora (DEPSATT), do Sindsprev/RJ, no final de 2015, na sede regional do sindicato em São Gonçalo. O DEPSATT desde então vem desenvolvendo ações políticas a favor da categoria, tais como:  oficinas, encontros e seminários temáticos; ciclos de diálogos, que acontecem no auditório térreo do sindicato, na Lapa, visando a formação e conscientização de trabalhadores e trabalhadoras; atos públicos denunciando o adoecimento e as mortes na categoria, como o realizado na portaria do Nerj, na rua México, em novembro de 2017, e o ato dos intoxicados em Brasília, em setembro. Atos que culminaram com a abertura de duas mesas de negociação, uma no Rio e outra em Brasília, para tratar desses temas e da solicitação de exames periódicos específicos de monitoramento (colinesterase) e clínicos/laboratoriais de rastreamento para detecção de doenças, assim como o tratamento especializado.

Também denunciamos no Fórum Social Mundial, realizado na Bahia, em março deste ano, as mortes de servidores do Rio de Janeiro por contaminação de agrotóxicos. Realizamos aproximações e firmamos vínculos com setores acadêmicos especializados, como a Fiocruz/CESTEH, UFRJ/Fundão, tendo como resultados: No CESTEH/Fiocruz, a reativação dos atendimentos para consultas e exames. A criação do Projeto Integrador Multicêntrico, que é o estudo do impacto à saúde dos agentes de combate a endemias e guardas de endemias pela exposição a agrotóxicos no estado do Rio de Janeiro, inclusive com o envolvimento de outros centros de referência, como INCA, UFRJ e UFRN, assim como a entidades representativas dos trabalhadores (Sindsprev/RJ, SintSaúde-RJ e Sintrasef).

Também houve o resgate e a reativação dos trabalhos da Drª Heloísa Pacheco (in memoriam), que era coordenadora do Ambulatório de Toxicologia Clínica Ambiental e Ocupacional do Hospital Universitário Clementino Fraga Filho da UFRJ (Fundão). Vale ressaltar que as reuniões ordinárias do Departamento de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora do Sindsprev/RJ acontecem quinzenalmente na sede do sindicato e são abertas a sindicalizados ou não. Compareça. Sua participação é importante para a construção coletiva em prol do trabalhador e da trabalhadora.

Departamento de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora – Sindsprev/RJ







     Voltar

Ir para o topo | Envie esta página para um amigo | © SINDSPREV 2007  |  Desenvolvido por Spacetec