Home
|
|
|
|
|

| Saúde Federal | Saúde Estadual | Saúde Municipal | INSS | MPS | Funasa | DRT | PSF ACS ACE | Ações Judiciais | Comunitário | Política | Economia | Cultura | Geral | Galeria de Fotos | Links | Erramos 30/05/2019 15/05/2019 14/05/2019 03/05/2019 10/04/2019
Geral  

"Quem matou Marielle?", perguntam manifestantes no ato contra a censura no Rio

15/01/2019

Da Redação do Sindsprev-RJ

Por Hélcio Duarte Filho


No dia em que o assassinato da vereadora Marielle Franco completava dez meses sem que mandantes e executores tenham sido apontados, manifestantes que participavam do ato contra a censura no Rio de Janeiro, ao final da tarde da segunda-feira (14), criticaram a impunidade e a presença da Polícia Militar no local. Demonstraram isso com palavras de ordens e perguntas como "Quem matou Marielle?" e "Eu quero o fim da Polícia Militar".


A manifestação ocorreu em frente à Casa França-Brasil e reuniu cerca de 400 pessoas, que atenderam ao chamado do grupo ‘És Uma Maluca’ para acompanhar a performance da instalação “A Voz do Ralo é a Voz de Deus”. Baseada no conto ‘Baratáia’, do escritor fluminense Rodrigo Santos,  a apresentação foi proibida pelo governo do Estado do Rio, sob o argumento de que o conteúdo não estava previsto no contrato do evento “Literatura Exposta”.


A instalação consistia de uma tampa de bueiro da qual saem milhares de baratas de plástico - exatas seis mil, segundo um dos integrantes do coletivo. Na performance, duas atrizes nuas iriam interagir diante da instalação. O conto ‘Baratáia’ discorre sobre uma mulher torturada na ditadura empresarial-militar com a introdução de baratas em sua vagina.    


‘Literatura Exposta’ reuniu dez obras de coletivos ou artistas que as criaram em cima de dez contos de escritores da periferia. A performance encerraria o evento no domingo (13), mas a exposição foi fechada um dia antes por determinação do secretário de Cultura, Ruan Lira. A decisão foi comentada pelo governador Wilson Witzel, nas redes, que tentou justificá-la também mencionado a suposta quebra de contrato.  A Casa França-Brasil está subordinada á Secretaria de Cultura.


Participantes do ato expressaram revolta e indignação diante da presença de policiais do 5° Batalhão da Polícia Militar do Rio, pouco antes do início da apresentação. Entre as palavras de ordem cantadas, algumas expunham o contraste entre a atenção dada pela polícia à repressão à uma exposição cultural, enquanto questões como o assassinato da vereadora Marielle Franco, em março de 2018, seguem sem solução.


À reportagem, um dos policiais informou que estavam ali para impedir qualquer cena de nudez na atividade. O comando da operação não quis informar quantos policiais foram deslocados para acompanhar a performance teatral, mas a reportagem contou a presença de pelo menos 40 PMs e seis viaturas policiais. Na performance desenvolvida na rua, após as 18 horas, uma mulher vestida se deitou em meio às baratas, imóvel e de pernas abertas. A cena foi a maior parte do tempo observada por alguns policiais.


Na sua conta no Facebook, o grupo “És uma Maluca” agradeceu a quem compareceu ao ato na porta da Casa França-Brasil. “Foi muito significativo para todos nós, e para quem tá na luta com a gente, e mostrou que o momento no qual acabamos de entrar, há 2 semanas, só vai reforçar a nossa capacidade de resistência!”, diz a mensagem.






     Voltar

Ir para o topo | Envie esta página para um amigo | © SINDSPREV 2007  |  Desenvolvido por Spacetec