Home
|
|
|
|
|

| Saúde Federal | Saúde Estadual | Saúde Municipal | INSS | MPS | Funasa | DRT | PSF ACS ACE | Ações Judiciais | Comunitário | Política | Economia | Cultura | Geral | Galeria de Fotos | Links | Erramos 30/05/2019 15/05/2019 14/05/2019 03/05/2019 10/04/2019
Geral  

Ato com trabalhadores rurais e urbanos rejeita PEC da Previdência e defende direitos humanos

18/04/2019

Ato na Central do Brasil, realizado no dia 17 de abril - autor: Niko

Da Redação do Sindsprev-RJ
Por Hélcio Duarte Filho

Cerca de 200 trabalhadores da cidade e do campo participaram, ao final da tarde e início da noite desta quarta-feira (17), de um ato na Central do Brasil, no centro do Rio de Janeiro, que defendeu os direitos humanos, as liberdades democráticas e a manutenção de direitos sociais. entre eles o da aposentadoria e da Previdência Social pública.

O ato foi convocado por dezenas de entidades, entre sindicatos, centrais sindicais e movimentos sociais da cidade e do campo. A manifestação em defesa dos direitos desrespeitados e ameaçados teve referências aos 21 trabalhadores sem terra assassinados em Eldorado dos Carajás, no Sul do Pará, em 17 de abril de 1996, e aos 16 anos da Chacina do Borel, ocorrida em 16 de abril de 2003, nesta favela da Tijuca, na Zona Norte do Rio.

A professora Mariana Trotta, da Faculdade de direito da UFRJ, ressaltou a importância da unidade dos trabalhadores rurais e da cidade para impedir que passem projetos que eliminam direitos da classe trabalhadora, como a reforma da Previdência que o presidente Jair Bolsonaro tenta aprovar no Congresso Nacional. Ela e outros oradores defenderam a unidade para enfrentar os projetos de retirada de direitos. Os manifestantes afirmaram que a reforma da Previdência é o fim do direito do trabalhador, seja da cidade ou do campo, se aposentar.

O assassinato do músico Evaldo dos Santos Ros pelo Exército brasileiro, cujo carro em que conduzia sua família foi alvejado por 80 tiros de fuzis, também foi lembrado. Os manifestantes fizeram a contagem em coro de um a 80, para sinalizar o repúdio ao crime e exigir justiça. No dia seguinte ao ato, a ação do Exército fez mais uma vítima fatal: o catador de materiais recicláveis Luciano Macedo, que também havia sido atingido ao tentar prestar socorro à família atingida, morreu após ser submetido a cirurgia no Hospital Estadual Carlos Chagas.

 

 






     Voltar

Ir para o topo | Envie esta página para um amigo | © SINDSPREV 2007  |  Desenvolvido por Spacetec