Home
|
|
|
|
|

| Saúde Federal | Saúde Estadual | Saúde Municipal | INSS | MPS | Funasa | DRT | PSF ACS ACE | Ações Judiciais | Comunitário | Política | Economia | Cultura | Geral | Galeria de Fotos | Links | Erramos 30/05/2019 15/05/2019 14/05/2019 03/05/2019 10/04/2019
Geral  

Ato defenderá neste domingo (26) paz nas favelas e fim da política de segurança que mata pobres no Rio

24/05/2019

Da Redação do Sindsprev-RJ

Por Hélcio Duarte Filho


'Parem de nos matar'. É com esse grito de protesto e de socorro que pelo menos 47 organizações dos movimentos sociais, comunitários e políticos convocaram uma manifestação para este domingo, dia 26 de maio, pelo fim da política de segurança que mata homens, mulheres e crianças nas comunidades e pela paz nas favelas.


A manifestação já vinha sendo convocada há algumas semanas e teve como motor os sucessivos e crescentes casos de violência policial contra civis no Rio de Janeiro. Ocorrerá cerca de 72 horas após a decisão da Justiça Militar de soltar os nove militares presos após o carro de uma família, que ia para um chá de bebê, ser metralhado com 80 tiros pelo Exército, em Guadalupe, na Zona Norte do Rio.


O ato está previsto para começar às 10 horas da manhã, no Posto 8, em Ipanema, Zona Sul do Rio de Janeiro. A ideia dos organizadores é formar um cordão humano na orla que irá do Posto 12 até o Arpoador.


O protesto lembrará vítimas recentes de ações policiais, como o gari comunitário William Mendonça dos Santos, o Nera, morto com dois tiros na favela do Vidigal, pela PM; Evaldo Rosa dos Santos e o catador de papel Luciano Macedo, executados pelo Exército com 80 tiros na Estrada do Cambotá, em Guadalupe, na Zona Oeste; e o estudante Lucas Brás, de 17 anos, morto com um tiro nas costas no Parque Royal, na Zona Norte.


“William, Evaldo, Luciano e Lucas, todos negros. Todos assassinados pelo estado do seu país. Dezenas de tiros saídos das armas daqueles cujo juramento e dever é proteger e servir os cidadãos brasileiros. Polícia e exército existem para garantir a segurança e a integridade física dos cidadãos, nunca para os matar.”, diz trecho da convocatória postada nas redes sociais.


O texto observa que a violência policial não é uma novidade nas favelas e bairros populares no Rio ou em outros estados. Mas ressalta que a situação se agravou, num estado no qual, segundo dados do Instituto de Segurança pública, foram registrados 434 homicídios no primeiro trimestre de 2019 em decorrência de ações policiais - o que significa uma média de quatro mortes por dia e 18% a mais do que o mesmo período de 2018.


“Embora a truculência faça parte das táticas policiais desde sempre, os atuais governos estadual e federal ampliaram a Licença Para Matar atribuída às já extremamente violentas forças de segurança pública”, constata a convocatória para o ato. “Oitenta tiros, dois tiros, um tiro, vale tudo nessa guerra política que, quando não nos mata, quer nos calar. Não calarão!”, finaliza.


Lista de organizações que convocam o ato:


Associação de moradores do Vidigal

Politilaje

Favela no Feminino

Coletivo Jararaca RJ

Movimento popular de favelas

Movimento Moleque

B’nai B’rith

Redes da Maré

Coletivo Feminista Classista Ana Montenegro

Coletivo Juntos pela Paz

Nós do Morro

Bando Cultural Favelados da Rocinha

Associação de Moradores da Rocinha

Mães e Familiares Vítimas de Violência do Estado

Rede de Comunidades

Movimentos Contra a Violência

Rede de Mães e Familiares da Baixada

Levante Popular da Juventude

Favelação

Funperj

MTST

Fórum de Educação de Jovens e Adultos

Comissão  Popular da Verdade

Movimento  Negro Unificado

Favela não se cala

Frente Brasil Popular

Radio Estilo Livre Vidigal

Frente de Juristas Negras e Negros  do Estado do Rio de Janeiro

Frente Democrática da Advocacia

UNEGRO - União de  negras e negros por igualdade

Movimento Nosso Jardim

Coletivo União Comunitária

Ser Consciente

Frente Favela Brasil

Militantes em Cena

Frente Povo Sem Medo

Quilombo Raça e Classe

Torcedores pela Democracia

FAFERJ

FAM-RIO

Conselho Popular

MST

Grupo de Resistência Bando Cultural Favelados

ASA - Associação Scholem Aleichem.

RioOnWatch

Movimento dos Atingidos por Barragens

Copa por Diretas e por Direitos






     Voltar

Ir para o topo | Envie esta página para um amigo | © SINDSPREV 2007  |  Desenvolvido por Spacetec